Seguro de Vida

Riscos no Ambiente Cibernético
abril 27, 2017

Seguro de Vida

Foto: Sukanya Sitthikongsak / Getty Images

Pandemia faz demanda por seguros de vida crescer, principalmente entre jovens.

Procura teve alta de 11,4% e subiu mais de 120% com jovens no primeiro bimestre deste ano.

Sandro Zeppi Da CNN, em São Paulo

01 de maio de 2021 às 01:55


O medo de deixar a família desamparada, ampliado pelo cenário de pandemia, resultou em um forte aumento no mercado de seguros de vida. A procura entre jovens subiu mais de 120% nos dois primeiros meses deste ano.

De acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susesp), houve um aumento em todo o país na contratação de 11,4% neste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. esse número pode ser muito maior, dependendo da corretora e da característica do seguro.

Leia mais

“A gente tem o pacote leve, o pacote pleno e o pacote total, ou seja, dá opções para que as pessoas possam escolher e adicionando a isso benefícios importantes. A ideia é isso: transformar o seguro de vida num seguro para a vida. Para toda a vida do cliente, afirma Rodrigo Caramez, presidente da Brasilseg, que tem 5 milhões de clientes – pagando R$ 10 bilhões em indenização no ano passado.

A companhia registrou um aumento de 200% na contratação de seguro de vida para jovens com idade até 20 anos. Entre os serviços oferecidos com o seguro estão terapia online, assistência pet e internação hospitalar, o que ajudou na emissão recorde das apólices.

A empresária Alessandra Boiani viu sua corretora ter um aumento de 21% na pandemia, em relação ao período anterior. A maior adesão foi de pessoas na faixa entre 40 e 50 anos. E muitas apólices nem foram aceitas. A companhia de seguros faz uma análise médica de risco antes de emitir a apólice.

“A seguradora vai fazer uma análise de risco de qual é o estado de saúde daquela pessoa, e fazer uma conta ali de qual é a previsão de longevidade, de quanto tempo ela vai viver, para poder fazer a aceitação do seguro. E pode tomar a decisão de aceitar padrão, de aceitar com uma sobretaxa, ou seja, com custo maior, ou simplesmente de não aceitar.”, explica Alessandra.